segunda-feira, 14 de abril de 2014

O Perdão de fato




Perdão de Fato é o perdão por palavras e por atitude.

O perdão pode ser definido como uma atitude mental e comportamental em favor do ofendido, portanto, uma ação de pagamento da ofensa pendente, ou de uma sentença punitiva pelo erro cometido. Uma sentença é uma punição pelo erro cometido. Paga a punição o perdão está concedido.

O perdão sempre tem um custo. O preço, normalmente é pago por aquele que perdoa, como no caso de Jesus, que pagou um alto preço por nos perdoar.

Porém, o que é mais difícil no perdão não são as palavras, mas o perdoar de fato. O que é perdoar de fato?
Perdoar de Fato requer, não o esquecimento do acontecido, mas o esquecimento do remoer a violência sofrida. Se você de fato perdoou, você não pode ficar falando sobre o acontecido, pois isso traz de volta o fato ocorrido e também a falta do perdão.

Quem perdoa não pode carregar um fantasma sobre os ombros, levá-lo para a cama, para a mesa, para o culto, para o trabalho, andando pela rua, etc.

Quem Perdoa de Fato não rememora constantemente aquilo que sofreu, pois se isto acontece o perdão não foi de coração e de fato.

A rota do perdão inicia-se com o arrependimento pelo mal que fez contra alguém? Mas, como esse ofensor se arrependerá se ele acredita que o outro foi merecedor, foi o provocador de sua ofensa? Aí está estabelecido um paradoxo. O problema do perdão não começa pelo arrependimento, mas começa por resolver esse paradoxo: "Quem errou de fato, se ambos os lados pensam estar certo?"

Jesus nosso paradigma em questão de perdão e justiça nos faz entender essa questão ao responder a pergunta: "Até quantas vezes tenho que perdoar o meu irmão que errou contra mim? Sete vezes?
Jesus lhe responde: "Setenta vezes sete", e menciona uma parábola de um Rei que teve misericórdia de seu servo que lhe devia dez mil talentos, e que se ajoelhou pedindo ao Rei misericórdia. Mas, esse mesmo servo não teve misericórdia de um devedor, de cem denários, que encontrou no caminho, e que agiu da mesma forma pedindo misericórdia. O Rei sabendo disso chamou o servo e retirou seu ato de misericórdia e perdão, entregando-o aos atormentadores até que pagasse sua divida. Jesus diz: "Assim será feito com vocês, pelo Pai, se de coração vocês não perdoarem, cada um a seu irmão, as suas dividas ou ofensas" Mat.18.21-35.

Podemos ver o resultado final àquele que não perdoa, são entregue aos atormentadores. Existem milhões de pessoas que vivem em tormentos ruminando todos os dias os ataques que sofreram, e que não perdoaram, mas querem perdão. Se eu quero perdão, tenho que perdoar!

Jesus não olhou para nossa situação pecaminosa, não olhou nossas ofensas, mas pagou o preço para nos perdoar. Ele poderia simplesmente dizer: "Eles são os errados, não eu; o problema é deles". Mas, não foi assim que Jesus agiu. Mesmo sem eu ter mérito algum, Ele me perdoou.

Quando há um paradoxo sobre o errado, é porque ambos estão errados! Numa situação de erros, que geram sofrimento, existem três possibilidades:

1 - O lado A está errado.
2 - O Lado B está errado.
3 - Ambos os lados estão errados.

Observe que só f alei dos lados errados, e não dos lados certos. Pois, em uma discussão, a tendência é que só o erro prevaleça. Não importando quem esteja certo.

O ponto crucial e efervescente é o de atualizar constantemente o fato ocorrido no passado, fazendo dele um presente contínuo. Esse é o carregar o Fantasma nas costas! Só o perdão pode livrar dessa situação.

Além desses aspectos relatados, aqueles que não perdoam são derrotados, pois foram vencidos por Satanás. II Coríntios 2:10  "E a quem perdoardes alguma coisa também eu; porque o que eu também perdoei, se é que tenho perdoado, por amor de vós o fiz na presença de Cristo; para que não sejamos vencidos por Satanás". Daí o Atormentador que Jesus mencionou em Mat.18!