quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Metamorfose Ambulante

A Vontade Escravizada





Raul Seixas, autor e cantor de "Metamorfose Ambulante" diz que "preferia ser uma metamorfose ambulante" e se orgulhava de "não ter uma velha opinião formada sobre tudo". No entanto, este mesmo cantor não abria mão da filosofia de Aleister Crowley que tinha dois preceitos fundamentais da chamada Lei de Thelema:

1 - "Faze o que tu queres será o todo da Lei."
2 - "Amor é a lei, amor sob vontade."

O sistema thelêmico inclui uma série de referências de magia, ocultismo, misticismo e religião, que é bem próximo àquilo que seu amigo, Paulo Coelho, prega até hoje.

Este homem influenciou e ainda influencia milhares de jovens que, baseados nesta filosofia HEDONISTA E RELATIVISTA se tornam escravos da Vontade Escravizada.

A Vontade é escravizada pelo prazer, relativizando a Verdade como meio de abonar o prazer pelo prazer.

Ser uma Metamorfose Ambulante é o mesmo que nunca chegar ser uma criatura completa e perfeita, mas viver nessa teimosia da transformação continuamente e sem objetivo algum.

Ambulante ou andarilho em processo de metamorfosear-se é algo impossível, pois a metamorfose exige um tempo em plena estática. Portanto, metamorfose ambulante é tão somente uma figura de linguagem que tenta transmitir a ideia de alguém cheio de dúvidas, caminhando por lugares inexpressivos e numa situação degradante ou confusa.

A "Velha Opinião formada sobre tudo" é o que o faz metamorfosear-se, indicando que rompendo com as tradições e verdades, ele vive uma Alice no país das maravilhas, porém, inacabado. Ou seja, é melhor viver a certeza do prazer do que opiniões sobre o final do processo da metamorfose. Nem sei quem sou!

Isso me lembra a "Marcha das Vadias", o Movimento Gay!. Perfeito exemplo de metamorfose ambulante. O que querem? Onde querem chegar? Nada! Apenas metamorfose que nunca se findará. Nem sabem quem são!

Adaptação minha do texto de Jonathan Timóteo - Facebook 12/09/13