terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Ano Novo! Vida Nova?




Adeus Ano Velho

Será que podemos dar adeus ao tempo? Será que o tempo diz adeus a nós?
O tempo é um agora que se desloca, portanto, o tempo é um momento vivido. Bem ou Mal, mas foi vivido.
O ano que se vai é apenas um tempo que tem uma certa duração, mas é tão somente uma nominação feita pelo homem.
Será que o tempo existe de fato? 
O tempo não pode existir, mas pode ser contado. Não pode existir, pois isso seria um desafio racional. Veja, como pode o tempo existir e a eternidade existir? Seria o tempo uma fração da eternidade?
Mas, se assim for a eternidade sofrerá um fracionamento, e isso a transforma em uma eternidade finita, pois pode ser repartida, mesurada, então já não é uma eternidade eterna, mas uma eternidade fatiada.
Poderíamos dizer então que o tempo é uma fatia de uma grande pizza de tempo cuja soma resultaria em eternidade? Não!
O tempo não existe, o que existe é uma deterioração da matéria. A matéria é finita e o tempo é um ficto e não um facto.
O ano que se vai hoje, a bem da verdade, é uma tentativa humana de mensurar um tempo determinado no qual muitos fatos aconteceram, porém, como continuamos vivos dentro de uma materialidade frágil e dissolvente, pensamos que um ano se foi, mas o que se foi é um amontoado de objetos, coisas, animais e pessoas. Os que se foram param o tempo de seus relógios. O ano que passou subjetivou-se e já não é mais.
O ano novo que chega vem acompanhado por renovações de sonhos, mas os sonhos são tão subjetivos quanto o tempo, pois em cada sepultura tanto o tempo como os sonhos estão estancados.
Ano Novo! Ou apenas continuamos vivos, mas até quando? Esse "Quando"já expressa um tempo, ou talvez uma vírgula, mas com certeza não expressa um ponto final.
Vida Nova? Sim, pois a vida é eterna! Mas, onde será essa eternidade de vida? Pode haver "onde"? Onde não é um lugar? Se é um lugar pode ser mensurável?
A Metafísica tem mais perguntas do que respostas.
Então, o que temos que fazer? Viver e buscar respostas. Onde a principal é: A Verdade.
A Verdade, o Tempo, a Matéria, a Eternidade!
Feliz Ano Novo só é possível aqui e agora, pois além tempo não existe Ano Novo ou Ano Velho.
A Felicidade é inferior à Verdade. Muitos buscam a Felicidade, mas o que se deve buscar de fato é a Verdade!
Então, "Verdadeiro Ano Novo a todos vocês!"

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Morte: O Salário do Pecado




A Bíblia diz que o salário do pecado é a morte. Porquê?

Porque é um auto-desligamento da fonte da Vida. Uma analogia com um celular talvez possa nos esclarecer: "Um celular depois de ser carregado, evidentemente é retirado da fonte por motivos óbvios. Com o passar do tempo e uso a carga do celular se esvai e ele acaba por dar seus últimos suspiros antes de pedir uma nova carga emitindo alguns sons ou luzes piscantes. Assim que sito ocorre rapidamente vamos à fonte da concessionária de força e luz plugamos o celular à tomada e inicia-se o processo de recarga de energia para a bateria do celular"

Esse mesmo processo acontece com os seres humanos, constantemente vamos à Igreja para nos recarregarmos com o Espírito Santo de Deus.

O que acontece com o pecado? O pecado nos descarrega rapidamente e ficamos sem energia espiritual. O pecado nos desconecta da Fonte e assim passamos a utilizar a carga que temos em nossos corações, em nossa Alma.

As pessoas acreditam que Deus é Mau, pois se pecamos nós morremos, porque há sofrimento no Mundo, porque existe a maldade, a crueldade, etc. Não, não é assim. Deus é totalmente bom. Não pode haver nada de mal em Deus, pois se houvesse Ele não seria Deus. O mal é a ausência do bem, portanto, em Deus não há ausência do bem, pois Deus é o bem absoluto.

Então, por que os justos sofrem? Por que a morte é uma realidade mesmo para aqueles que servem a Deus? Por que é um salário e a Bíblia diz que o trabalhador é digno do seu salário, mas e quando o trabalho é o pecado? Bem, se a pessoa peca ela é indigna da Vida, mas passa a ser digna de Morte. Ou seja, o pagamento do salário é a morte. O senhor da pessoa é o pecado, então, ela receberá de seu senhor o salário. Se é pecado o salário é morte.

Lembra-se das duas árvores que existiam no Éden? A árvore da Vida e a árvore da Morte, pois é exatamente assim que nós vivemos ou morremos.

O suicídio é um pagamento antecipado e instantâneo por essa desconexão da fonte. Na verdade está mais para um curto-circuito entre os pólos da bateria dessa pessoa, pois a descarga é rápida e sem possibilidade de recarga. Enquanto o salário do pecado é algo que se recebe ao final de uma longa vida, o suicídio antecipa isso para um instante da vida. Não foi Deus quem desistiu da pessoa, mas ela desistiu de Deus.

O problema é exatamente esse, a pessoa desistiu de Deus. Deus jamais desiste de alguém, por pior que ela seja, Deus sempre a amará.

Por isso o salário do pecado é a morte, pois a pessoa se desligou de Deus. Deus não mata ninguém! Deus é Vida! Todos os seres humanos são suicidas em potencial, pois todos mesmo sabendo que o pecado terá um pagamento, continuam pecando. É como o sujeito que serra o galho em que está sentado ou o que toma cachaça todos os dias e sabe que poderá ter uma cirrose hepática, ou ainda o sujeito que fuma um maço de cigarro todos os dias e sabe que as consequências podem ser um câncer na garganta ou nos pulmões.

O pecado é um elemento distanciador de Deus. Deus é Vida, logo, distanciando-se da Vida caminha-se para a morte.

A Bíblia diz que o justo cai sete vezes ao dia, mas mesmo assim o chama de justo. Porquê? Por que ele não larga da mão do Pai, é como aquela criança que cai, cai, mas não larga a mão de seu pai, pois confia no pai. Assim temos que ser confiantes no Pai. Essas quedas não significam um desligamento do Espírito Santo da nossa vida. O problema começa quando nós largamos a mão do Espírito Santo.

Porém, nós temos um alertante que é o espírito humano que em comunhão com o Espírito de Deus nos avisa que estamos nos distanciando de Deus através de nossa Consciência que é o sininho de perigo em nosso espírito - gritando: "Volte, volte", mas se não dermos ouvidos, então, o sininho vai perdendo força, perdendo força, até que silencia. Isso é o que se chama cauterização da Consciência.

Porém, o sininho continuará soando para outros pecados, e mais outros e mais outros, até que nos ensurdecemos à sua voz definitivamente. Morremos!

Inferno (hades)



O Inferno é um lugar? Sim e Não.

Algumas vezes é citado como um Lugar e outras vezes é citado com Malignidade. (Lugar: Mt.18.9; II Pe.2.4; Ap.1.18 e 20.13; Malignidade: Tg.3.6; I Co.15.55; Ap.6.8)

Como Deus sendo Amor e Bondade podeira criar um Inferno Eterno?
Deus não o criaria! Não há em Deus a menor pretensão de enviar almas para o Inferno.

O Inferno é um resultado! Resultado da Rebeldia contra o Criador.
O Inferno é a eterna expressão do Amor de Deus!
Ah! Tá brincando? Não, não estou. É exatamente isso "O Inferno é o resultado do Amor de Deus".

Deus nunca deixará de amar. Porém, o candidato ao Inferno sempre resistirá ao Amor de Deus. Essa luta é a chama que alimenta o Inferno. Amor X Ódio (rebeldia) = Inferno.

A maior manifestação do Amor de Deus a este Mundo chama-se Jesus Cristo, que veio aqui para impedir que almas caminhem em direção ao Inferno. Mataram-no! Cuspiram e Afrontaram o Criador! Assim caminha a humanidade, estão caminhando por livre escolha para o Inferno. Não é Deus quem os está enviando!

O capitão do Inferno é Lúcifer, pois é um homicida e pai da mentira. Esse sim tem ódio e muito ódio a Deus. Esse ódio é que alimenta a chama do Inferno, pois Deus é Amor em grau Absoluto, não há e nem pode haver em Deus ódio, pois se houvesse Ele não poderia ser Deus. Deus tem em Si todas as Qualidades em Grau Pleno, mas se houvesse Ódio em Deus já o Amor não poderia ser em Grau Absoluto, pois haveria uma mancha nesse Amor. O Ódio é o afastamento do Amor assim como as Trevas é o distanciamento da Luz.

A Luz veio ao Mundo, mas os homens amaram mais as Trevas do que a Luz. O último recurso de Deus em resgatar a Humanidade do Inferno ardente chama-se Jesus Cristo de Nazaré.

Mas, o Amor de Deus tem um limite, esse limite chama-se Lago de Fogo e Enxofre, onde o Inferno será lançado juntamente com todos os rebeldes, são estes os que foram vencidos pelo Ódio ou poderíamos dizer os distanciados do Amor. O Inferno deixará de existir, pois arderá nas chamas do Lago de Fogo. Por isso essa é a Segunda Morte, Morte Eterna!

domingo, 15 de dezembro de 2013

O deus Ciência



Ciência é Deus?

O panteísmo crê que TUDO É DEUS, pois Deus está em tudo o que existe. A maioria das religiões orientais pensam assim.

(Pan = tudo; Teo = Deus ; e ísmo = sufixo que designa uma doutrina ou doença ou ainda uma ideologia. Nesse caso Panteísmo seria uma doutrina onde Deus está em tudo)

O Panenteísmo já crê que TUDO ESTÁ EM DEUS. (pan = tudo; en = em; teísmo = Deus). Ou seja Deus contém todas as coisas.

Primeiramente você, ou seja lá quem for, deve entender que a Ciência é só uma pequena parcela do conhecimento humano, uma virgula em um turbilhão de informações. Querer reduzir o conhecimento humano apenas ao nível científico é muito temerário e imbecilizante.

Segundo - A Filosofia começa com indagações Metafísicas, evidentemente que recebeu esse nome bem depois do início do Filosofar com Tales de Mileto e ganhou esse status só com Andrônico de Rodes o compilador da obra de Aristóteles.

A Ciência não responde a muitas questões, e nem necessita, pois não é o campo de atuação dela. Como a questão da Alma humana, ou o que de fato sustenta a vida, a intuição humana, a consciência, a vida pós-morte, etc.

Crer na ciência como se fora um deus, é tão tolo quanto crer em uma teogonia, ou melhor, um panteão de deuses.

Mesmo se alguém não crê em Deus, suponha que exista um Deus. Como Ele deveria ser?

Deus não pode ser múltiplo, pois há uma exigência lógica, racional de que Deus tem que ser único. Se Deus fosse múltiplo, ele seria mensurável, se Ele fosse mensurável, isso o colocaria dentro de uma caixa, ou seja, tudo o que pode ser medido é limitado! Se Deus fosse limitado Ele não poderia ser Deus! Logo, Deus só pode ser ilimitado ou seja Infinito, ou melhor Eterno.

A questão que ateus colocam é limitante do pensamento humano, pois querer crer em um deus ciência, que é apenas uma parcela do conhecimento humano, é limitar Deus à uma pequena área do conhecimento humano.

Caso você tenha como deus a ciência, tente responder com inteligência as questões que a vida impõe.

A própria Ciência já foi um ramo da Filosofia, logo a Filosofia é muito mais abrangente do que a Ciência, e mesmo assim ainda que abrangente não é o volume completo do conhecimento possível à humanidade de alcançar, e jamais alcançará, pois conhecimento absoluto só Deus os têm.

Afinal por que você está vivo? Será que você caiu de paraquedas neste planeta? Qual é o significado de sua vida? O que você fará com seus poucos anos de vida nesta Terra?

A função da Filosofia é mais questionar do que responder!

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Verdade Ontológica




A Verdade

A Verdade para mim é diferente da mesma Verdade para Deus.

A Verdade para mim - (Verdade Lógica)
É como ela se me apresenta. Por exemplo: "Um copo com água está sobre minha mesa" Essa é uma Verdade absoluta para mim. Mesmo que eu refute isso como apenas uma informação de meu cérebro, o copo com água está lá. Você pode questionar como é que eu sei que aquilo é um copo com água? Você pode perguntar se eu provei a suposta água do copo? Mas, nada disso importa, pois se o que está no copo é água, isso não vai mudar pelo fato de eu provar ou não a água. Ou seja, a água que está no copo continua sendo água, mesmo que ninguém a prove. Logo, aquilo que se apresenta a mim, causa em mim uma uma experiência que ficará em minha memória como conhecimento adquirido. Nesse caso a água do copo.
Resumindo: Minha mente deve aceitar a coisa como ela é. Eu sou sujeito à Verdade da coisa.

A Verdade para Deus - (Verdade Ontológica)
É como Deus quer que ela seja. Por exemplo: "Um copo com água está sobre minha mesa" Essa é uma Verdade absoluta para Deus também, mas com uma grande diferença. Se Deus quiser que seja um copo com vinho, esse copo com água deixará de ter água e será um copo com vinho. Ou seja o Objeto se amolda a Deus!

A coisa em si não muda por que eu quero, mas muda quando Deus quer. Por outro lado tendo o conhecimento necessário eu posso mudar algumas coisas, mas só naquilo que tenho acesso, como por exemplo posso mudar um tronco de árvore transformando-o em uma cadeira, mas para tal é necessário o conhecimento e as ferramentas adequadas, além de algumas horas de trabalho. Porém, não consigo transformar um copo com água em um copo com vinho, mesmo que eu faça o vinho não haverá transformação de água para vinho, mas somente substituição!

Deus não precisa de conhecimento e ao mesmo tempo tem todo o conhecimento. Logo, Deus não necessita da experiência para obter conhecimento, Ele já os tem em grau Absoluto.

Tudo o que existe no Mundo Físico foi idealizado por Deus, então é passível de ser conhecido pelos homens. Mas, não o é para Deus.

Deus tem Conhecimento Absoluto, daí sua Onisciência!

Os panteístas dizem que tudo é Deus. Como assim? Uma árvore é Deus? Um sapo é Deus? Que deus seria esse? Não! Deus é muito maior do que tudo o que foi criado. Ele não arrancou um pedaço de Sí para construir o Mundo Físico. Ele apenas ordenou e tudo passou a existir por sua Palavra de Ordem. Daí a importância do Logos Divino, do Verbo Divino.

Os filósofos modernos tentam continuar a loucura de matar Deus, mas como não conseguem, evidentemente, então, buscaram outra alternativa, matar o Verbo, vamos matar o Logos Divino, como fazê-lo? Por meio da Linguagem. A Filosofia da Linguagem é uma tentativa humana de se propalar e alongar o propiciatório do Cordeiro.

O Logos é morto, em seu lugar coloca-se o logos humano, ou seja, a palavra humana passa a ser criadora. Não se diz mais "cego", diz-se "deficiente visual"; não se diz "negro", diz-se "afro descendente"; não se diz mais "todos estão convidados", mas diz-se "todos estão convidados e todas convidadas"; não se diz mais "aborto", mas "gravidez interrompida"; etc.

Estupidez! A Serpente uma vez disse "Sereis como Deus". Todo empenho humano é exatamente este subir um degrau em sua divindade a qualquer custo.

Se sou deus, que deus mixuruca eu sou! Não tenho domínio nem sobre minha própria vida e morte! Nem sobre a minha estatura! Não tenho escolha de quem quero por pai terreno. Não posso transformar um copo com água em um copo com vinho! Não posso andar sobre as águas do mar! Não posso fazer um monte mudar de lugar! Mas, se eu tiver fé, que me liga àquele que tudo pode, então, posso todas as coisas nele, em Deus que é minha força, pois essa força em mim, eu não a tenho. Se eu tentar transportar um monte de lugar sem fé, vou precisar de muitos carrinhos de pedreiro para fazê-lo.

Na verdade ontológica é possível o ser humano atuar, mas unicamente pela fé, pois não é algo natural, mas sobrenatural!

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Universalismo e a Verdade



A Verdade Liberta



O apóstolo João narra uma história muito intrigante e que nos faz meditar sobre a questão da Verdade. João 8:31-59. 
Jesus tinha acabado de perdoar e livrar uma mulher adultera pega em pleno ato de adultério (3-11). Mas, no versículo seis podemos ver que eles faziam isto para provar Jesus. E aqui já podemos notar os escribas e fariseus, juntos com muitas outras pessoas, tentando colocar Jesus em situação difícil. Eles sempre estavam por perto para provocá-lo, para acusá-lo, para experimentá-lo.


Os escribas e fariseus demonstravam suas profundas raízes no conhecimento das Escrituras, e sempre citavam os patriarcas como símbolos de uma tradição e fé. Moisés, Abraão, Jacó e outros eram citados para demarcar território, para estabelecer a fonte de suas crenças. Portanto, creem que os personagens fundantes de sua religião devem ser obedecidos e seguidos.

O judaísmo é uma religião fundamentada em. Grandes homens, a bem da verdade, mas ainda assim homens. Acabaram assim colocando estes homens acima das Escrituras e das Profecias.

Basicamente toda religião coloca seu líder fundante como sendo uma espécie de deus em busca de glória. E podemos ver pelas muitas religiões que existem no mundo que o que não falta sãos esses pseudo-deuses buscando sua própria glória.

O Budismo tem o Buda; o Taoísmo tem Lao Tsé; o Islamismo tem Maomé; o Espiritismo tem Alan Kardec; o Sabatísmo tem Ellen White; o Mormonismo tem Josef Smith, As Testemunhas de Jeová tem Charles Taze Russel; etc. Alguém poderia dizer, mas vocês cristãos também tem a Jesus Cristo como fundante do Cristianismo! Corretíssimo! porém, de todos Ele foi o único que teve ousadia de dizer ser Deus! Jesus diz: "Eu Sou" João 8:24 e 58. Os outros todos querem ser deus, querem a glória, mas não ousam falar que são deus.

Muitos são os usurpadores que querem ocupar o lugar de Deus, se assentar como Deus e parecer ser Deus. Nietzsche, o filósofo, ousou matar Deus. Ele disse: "Como pode um Deus existir e eu não ser Ele?" Morreu como um louco literalmente falando.

O Cristianismo preconiza para si como o Embaixador da Verdade, e seu líder como a própria Verdade. Vinha conquistando paulatinamente o mundo com sua pregação, até que alguém detectou tal possibilidade e se dispuseram a combatê-lo, a estudá-lo e a formular planos para destruí-lo. Nasceu a Escola de Frankfurt, uma escola de teoria social interdisciplinar marxista com perspectiva de aniquilar a Cultura Ocidental, ou Cultura Judaico-Cristã. 

Surje, então, com Bultimann a Teologia Liberal, e seus correlatos como a Teologia da Libertação, a Teologia da Missão integral. Mas para que essa tarefa contra a cultura ocidental fosse posível seria necessária a proclamação da Pluralidade Religiosa, o Ecumenismo, que tem sua academicidade no Universalismo.

O Universalismo tem atraído muitos Novos Pregadores visando uma nova maneira de se interpretar os textos sagrados com mais fixação no aspecto social do Evangelho. O que nos conduz de volta ao Gnosticísmo do início que pensava saber qual é a solução para um Mundo mal feito vir a ser um mundo ideal e perfeito. Querem dizer que o Mundo foi mal feito por Deus, e que através do Conhecimento eles fariam do Mundo mal feito um lugar bem feito. Em resumo o Universalismo diz literalmente que "existem muitos caminhos para Deus", e que todas as religiões tem algo de bom nelas, basta escolher aquilo que melhor lhe agrade em cada uma.

Não é preciso falar que isto matou o Cristianismo na Europa, sufocou nos EUA e está tentando acabar com o Cristianismo no Brasil e na América Latina.

O Universalismo é uma falácia, pois não há salvação fora da Obra Redentora de Jesus Cristo. Jesus disse: "Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida, ninguém vem ao Pai se não por mim" João 14:6.

Sem dúvida essa será e é a proposta do Anticristo.

O Universalismo, o Marxismo, a Teologia Liberal e a Filosofia Contemporânea tem como meta a destruição do Cristianismo para a implantação do Governo Mundial do Anticristo: A Nova Ordem Mundial.

A realidade é uma trouxeram a Teologia da Prosperidade para enfraquecer o Pentecostalismo e renovaram a meta com a Teologia Liberal. Mas, sempre há homens de Deus para instruir o povo desmascarando os intentos do Diabo. Pois, "conhecerei a Verdade e a Verdade vos Libertará" João 8:32.

A Verdade pode até machucar, mas sempre liberta. A mentira pode agradar, mas sempre aprisiona! 

O Mundo faz sentido?



Existem alguns pregadores que estão dizendo que o mundo não faz o menor sentido, pois como pode fazer sentido uma criança de cinco anos de idade ter câncer e morrer precocemente? Como pode o mundo fazer sentido e um bebê ser estuprado por aquele que deveria cuidar dele? Qual o sentido em um Tsunami? Qual o sentido nas pragas que infestam a humanidade e matam tantas pessoas? Que sentido há na morte?

Se formos analisar pelo lado emotivo dessas questões, certamente, iremos chegar à conclusão de que o Mundo não tem o menor sentido. Mas, não podemos nos esquecer de que existe uma intelectualidade, uma razão, uma lógica, e que deve ser levada em alta consideração. Caso contrário não haveria necessidade alguma de sermos pessoas com inteligência.

Portanto, quando se analisa uma questão tão importante como essa é preciso deixar a emoção de lado e tentar responder com a razão.

Fazendo uma análise mais acirrada e lógica sobre esse tema, podemos chegar a uma visão mais bíblica e mais inteligível e que não force uma situação de casamento conveniente para se amoldar às minhas teorias pessoais.

Se o Mundo não faz sentido, então não há propósito divino algum com este mundo e com as pessoas aqui. Sendo assim não passaríamos de simples fantoches nas mãos de um Deus que apenas quer se divertir!

Que ateus vejam este mundo como sem sentido algum é até compreensível, mas ver alguns homens que se dizem servos de Deus falar tal coisa é no mínimo preocupante. Mas, que na verdade beira às raias da loucura.

Se Deus existe e o Mundo não faz sentido, então, fica evidente que Deus não tem propósito algum para com a humanidade. Porém, se Deus existe e Ele tem propósito com a humanidade, então, quais seriam esses propósitos?

A ideia do propósito Moral me parece bem plausível, pois os seres humanos estão em fase de lapidação, e, portanto, tudo e como se vive aqui têm um propósito para a transcendência, para a meta-história, para o plano metafísico.
O problema começa quando se injeta outra premissa nessa racionalização que é o Determinismo. Pois, sendo o ser humano sem liberdade em suas escolhas, não há responsabilidade alguma por parte deste naquilo que faz. Sendo assim, suas escolhas não tem caráter moral!
Eis o grande problema dos Deterministas, ou eles reduzem a moral a quase nada ou então eles são obrigados a dizer que não há sentido no mundo. Se a moral é relevante, então existe responsabilidade por cada escolha que se faz, mas isso trás consigo um propósito divino de lapidação de todas as pessoas que aqui vivem. Porém, se a moral não é relevante, logo, não há responsabilidade pelas escolhas que se faz.
Moral implica em responsabilidade. Determinismo implica em Mundo sem sentido. Porém, Livre-Arbítrio e Mundo com sentido requer Moralidade e Propósito divino para com a humanidade.
Sem propósito divino o Mundo de fato não faz o menor sentido. Sem Livre-Arbítrio não pode haver responsabilidade moral, pois como alguém pode ser responsabilizado por aquilo que não decide?
Uma pergunta tem que ser respondida: “O Mundo faz sentido ou não?”