quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

O Mundo faz sentido?



Existem alguns pregadores que estão dizendo que o mundo não faz o menor sentido, pois como pode fazer sentido uma criança de cinco anos de idade ter câncer e morrer precocemente? Como pode o mundo fazer sentido e um bebê ser estuprado por aquele que deveria cuidar dele? Qual o sentido em um Tsunami? Qual o sentido nas pragas que infestam a humanidade e matam tantas pessoas? Que sentido há na morte?

Se formos analisar pelo lado emotivo dessas questões, certamente, iremos chegar à conclusão de que o Mundo não tem o menor sentido. Mas, não podemos nos esquecer de que existe uma intelectualidade, uma razão, uma lógica, e que deve ser levada em alta consideração. Caso contrário não haveria necessidade alguma de sermos pessoas com inteligência.

Portanto, quando se analisa uma questão tão importante como essa é preciso deixar a emoção de lado e tentar responder com a razão.

Fazendo uma análise mais acirrada e lógica sobre esse tema, podemos chegar a uma visão mais bíblica e mais inteligível e que não force uma situação de casamento conveniente para se amoldar às minhas teorias pessoais.

Se o Mundo não faz sentido, então não há propósito divino algum com este mundo e com as pessoas aqui. Sendo assim não passaríamos de simples fantoches nas mãos de um Deus que apenas quer se divertir!

Que ateus vejam este mundo como sem sentido algum é até compreensível, mas ver alguns homens que se dizem servos de Deus falar tal coisa é no mínimo preocupante. Mas, que na verdade beira às raias da loucura.

Se Deus existe e o Mundo não faz sentido, então, fica evidente que Deus não tem propósito algum para com a humanidade. Porém, se Deus existe e Ele tem propósito com a humanidade, então, quais seriam esses propósitos?

A ideia do propósito Moral me parece bem plausível, pois os seres humanos estão em fase de lapidação, e, portanto, tudo e como se vive aqui têm um propósito para a transcendência, para a meta-história, para o plano metafísico.
O problema começa quando se injeta outra premissa nessa racionalização que é o Determinismo. Pois, sendo o ser humano sem liberdade em suas escolhas, não há responsabilidade alguma por parte deste naquilo que faz. Sendo assim, suas escolhas não tem caráter moral!
Eis o grande problema dos Deterministas, ou eles reduzem a moral a quase nada ou então eles são obrigados a dizer que não há sentido no mundo. Se a moral é relevante, então existe responsabilidade por cada escolha que se faz, mas isso trás consigo um propósito divino de lapidação de todas as pessoas que aqui vivem. Porém, se a moral não é relevante, logo, não há responsabilidade pelas escolhas que se faz.
Moral implica em responsabilidade. Determinismo implica em Mundo sem sentido. Porém, Livre-Arbítrio e Mundo com sentido requer Moralidade e Propósito divino para com a humanidade.
Sem propósito divino o Mundo de fato não faz o menor sentido. Sem Livre-Arbítrio não pode haver responsabilidade moral, pois como alguém pode ser responsabilizado por aquilo que não decide?
Uma pergunta tem que ser respondida: “O Mundo faz sentido ou não?”