quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Não há Ressurreição sem Morte

Existem coisas sobre Deus que nós jamais saberemos, pois está além do nosso alcance mental, de nossa capacidade cognoscível. 

O que de Deus podemos saber, Deus no-las revelou: I Coríntios 2.9-16. Porém, Deus além de revelar alguns aspectos de sua própria natureza, também nos deu inteligência para arguirmos e meditarmos a seu respeito. Como exemplo podemos pensar sobre a Criação dos anjos e dos homens, assim como imaginarmos Deus antes de toda criação.

Um desses aspectos de Deus antes da criação é o Amor, pois sua Revelação nos diz que Deus é Amor, portanto, Deus é Amor em sua essência, em si mesmo. Mas, cabe uma pergunta: Antes de haver criado os anjos e os seres humanos a quem Deus amava? Ao Filho? Mas, sendo o Filho de Deus, Deus também, segue-se que Deus amava a si mesmo. Deus é amor em si! Mas, antes de criar os anjos e os homens seu Amor era limitado à Trindade. Isso é algo que dificilmente saberemos, devido à nossa limitação.

Assim, também, serve essa meditação provocativa para nos fazer pensar sobre algumas outras características ou Virtudes de Deus como Justiça, Bondade, Fidelidade, Amor, Compaixão, Perdão, Misericórdia, Paciência, Pureza, Mansidão, Iluminação, etc. 

A Justiça de Deus é um exemplo de atributo divino que nos faz pensar sobre essa Virtude a partir da premissa de que só onde há injustiças haverá a possibilidade de se fazer justiça. Se o Mundo fosse um lugar onde só existisse a justiça e nunca uma injustiça, então, não haveria necessidade de Justiça! Ou seja, Deus é Justo, pois existe a Injustiça! A Injustiça é um Mal. Logo, tudo o que é contra as Virtudes é Mal. O que é contra a Justiça, contra a Bondade, ou contra o Amor, e assim por diante, é Mal.

Aqui voltamos à Árvore do Bem e do Mal. Se a humanidade não comesse do fruto da Árvore do Bem e do Mal, como os atributos divinos seriam manifestos? Se Lúcifer não tivesse se rebelado contra o Criador como haveria uma serpente no Éden? A Justiça está em Deus, mas como aplica-la se não houvesse Injustiça? E como haveria Injustiça se não houvesse Criação? E como Deus seria Justo se não houvesse o Injusto? A Verdade é que desconhecemos os planos e propósitos de Deus, que estão muito acima do que podemos filosofar!

Nós temos que ser humanos, e Deus tem que ser Deus. Jesus disse que Ele é a Vida. Mas, como saber o que é a Vida se não houvesse Morte? Como valorar a Vida sem que a Morte existisse?

Sem Morte não há Ressurreição! Como valorar a Ressurreição se não houvesse Morte? Portanto, a Morte é um caminho para a Ressurreição e para a Vida. Segue-se que a Morte, então, é só uma virgula no texto da Vida!

Mas, como Paulo nos esclarece em (I Co.2.9-16):

"As coisas que olhos não viram, nem ouvidos ouviram, nem penetraram o coração do homem, são as que Deus preparou para os que o amam. Porque Deus no-las revelou pelo seu Espírito; pois o Espírito esquadrinha todas as coisas, mesmos as profundezas de Deus. Pois, qual dos homens entende as coisas do homem, senão o espírito do homem que nele está? assim também as coisas de Deus, ninguém as compreendeu, senão o Espírito de Deus. Ora, nós não temos recebido o espírito do mundo, mas sim o Espírito que provém de Deus, a fim de compreendermos as coisas que nos foram dadas gratuitamente por Deus; as quais também falamos, não com palavras ensinadas pela sabedoria humana, mas com palavras ensinadas pelo Espírito Santo, comparando coisas espirituais com espirituais. Ora, o homem natural não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque para ele são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente. Mas o que é espiritual discerne bem tudo, enquanto ele por ninguém é discernido. Pois, quem jamais conheceu a mente do Senhor, para que possa instruí-lo? Mas nós temos a mente de Cristo".

Não há Ressurreição sem Morte. Não há Morte sem Pecado. Portanto, não há Ressurreição sem Pecado. Por isso a Ressurreição é um plano divino para resgatar os pecadores que entraram nessa trajetória de colisão com a Morte e isso foi prometido na sequência ao pecado e queda de Adão em Gênesis 3.15 até seu cumprimento em João 3.16.

A Alegria está no fato de conhecer o Mal e vê-lo ser derrotado pelo Bem em Cristo Jesus.